terça-feira, 24 de maio de 2022

AUXÍLIO DOS CRISTÃOS


Em nossa fraqueza, na miséria desta vida, precisamos de poderoso auxílio para as lutas pela salvação eterna. O título confortador de “Auxílio dos Cristãos” nos enche de confiança. Na batalha de Lepanto, enquanto as hostes cristãs davam combate aos inimigos da cruz, Pio V suscita a Cristandade a orar e entregar a Nossa Senhora a causa da Igreja e da civilização. E a vitória foi brilhante. Mais duros são os combates de nossa alma, vítima dos assaltos de mil tentações, reveses e dores cruéis. “A nossa vida é um combate”, gemia o profeta Jó. E que combate difícil, renhido, sem tréguas! Há dias em que o desânimo parece invadir-nos! Coragem, alma cristã, Maria é nosso doce e poderoso Auxílio. Quando o soldado entrou na luta, recuar é covardia, tremer é arriscar-se mais ainda. Avante! No combate pela salvação de nossa alma, podemos ter a certeza da vitória, porque só se perde quem quer, só morre na luta quem não empregou as armas de segurança e eficácia que lhe estavam às mãos. Quem tem Maria Santíssima por Auxílio no combate, pode perecer? Não! Confiança, confiança! Maria nos salvará! Todo o inferno, todo o furor de nossas loucas paixões, todos os inimigos de nossa pobre alma, nada poderão contra nós, se nos abrigarmos sob o cetro de Maria Auxiliadora.

***
Maria Sempre!
***

FONTE: BRANDÃO, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 159.

__________________________________________________________________________

Sobre a obra: O Breviário da Confiança varia de página a página, porque variadas são as dores e amarguras desta pobre vida [...] É uma palavrinha amiga para cada dia, uma gota de bálsamo para feridas que a vida nos vai abrindo também cada dia no pobre coração.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2022

O RETRATO DE UMA ESPOSA E MÃE CATÓLICA



A partir das reflexões sobre a Santíssima Virgem Maria e sobre as disposições de seu Imaculado Coração, podemos traçar o contorno e o retrato da esposa e mãe católica. O texto abaixo é a conclusão de uma bela conferência proferida por Dom Alfonso de Galarreta durante um Congresso da Angelus Press sobre a Família.

Pode-se resumir no amor, na vocação ao amor, que se dá e se dá, generosamente, totalmente. Será uma vida familiar dedicada ao marido e aos filhos, para ser o coração do lar e o vínculo de unidade da família.

E quais serão os traços característicos dessa caridade?

Para com o marido, deve assumir a forma de um amor fiel, prestativo, casto e modesto, respeitoso e obediente.

Para as crianças, será, antes e acima de tudo, espiritual e sobrenatural. E eu gostaria de insistir nisso, que também é uma obrigação grave para o pai. Santo Agostinho diz com ousadia que: "De fato, se tem a intenção de engendrar para regenerar, isto é, que aqueles que nascem filhos deste mundo, renasçam como filhos de Deus". E ele acrescenta em outro lugar: "Esta intenção na união dos cristãos não é ordenada com o propósito de dar vida aos filhos para que não vão além deste mundo, mas para que sejam regenerados em Cristo, para que nunca se separem dele." E em outro texto complementar, "Ao cuidar dos filhos, é preciso acolhê-los com amor e educá-los religiosamente".

É particularmente honra e privilégio da mãe transmitir fé e religião, formar Jesus no coração de seus filhos, educá-los na piedade, no temor e no amor de Deus. Sua principal missão será elevá-los à ordem sobrenatural de tal forma que permaneçam nela, com um sólido fundamento espiritual. Não se trata apenas de ter filhos, mas de gerar filhos para a Igreja e para o céu.

E dada a condição fraca e vulnerável das crianças, tanto no corpo como na alma, seu amor para com elas deve ser ao mesmo tempo misericordioso, solícito, forte e abnegado.

Seu amor por todos os membros da família deve ser doce, gentil, terno, discreto e alegre. É principalmente a mãe que faz da casa um lar e da família um refúgio de paz.

Finalmente essa caridade se estenderá em sacrifício, até chegar ao momento da separação e da entrega dos filhos a Deus ou ao matrimônio; e, talvez, em alguns casos, até derramar lágrimas abundantes pela conversão de uma criança, como Santa Mônica, "Não se pode perder o filho de tantas lágrimas oferecidas a Deus".

A vocação da esposa e mãe cristã é uma vocação à caridade ao mesmo tempo sublime e exigente. É uma vocação ser na família e no mundo um espelho do Imaculado Coração de Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe.

Termino com as palavras de São Bernardo:

"Havia nesta nobre estrela, cujos raios iluminam o mundo inteiro, cujo brilho brilha nos céus e desce até as profundezas mais baixas. Ela ilumina o mundo e aquece as almas, acende as virtudes e consome os vícios. Ela brilha por seus méritos e ilumina por seus exemplos. Ó tu que te vês arrastado pela corrente deste mundo, no meio dos tormentos e das tentações, não desvies os olhos da luz desta estrela se não queres sucumbir às tempestades]... parte dos teus lábios, não deixes que saia do teu coração, e para obteres a ajuda das suas orações não te esqueças dos exemplos da sua vida. Seguindo Maria você não se perde; se você implora, não se desespera; se você pensa nela, não erra. Se ela te pegar pela mão, você não cai; se ela te proteger, você não terá medo; se Ela o guiar, você não se cansará; se ela for propícia a você, você alcançará a meta com segurança, e assim experimentará por si mesmo o que foi dito com justiça: 'E o nome da Virgem era Maria'".

***
Maria Sempre!
***

FONTE: FLORIDA.SSPX.ORG. 2015. The Portrait of A Catholic Wife and Mother. Disponível em: https://florida.sspx.org/en/portrait-catholic-wife-and-mother

Tradução e adaptação de: Bárbara de Carvalho Guedes Marques - membro da SSVM.